“PRESSÃO SOBRE OS BALANÇOS”

A contabilidade sempre foi uma importante fonte de informação para os empresários, que a utilizam, como base para suas análises e tomadas de decisões acerca das situações econômica, financeira e patrimonial. Boa parte das empresas apuram e recolhem os tributos federais, mensalmente, com base nas informações contábeis. Isso é um dos fatores importantes que torna necessário a manutenção da contabilidade atualizada. Outro motivo, para que os fechamentos contábeis, mensais, sejam tão rápidos, são as exigências, ao longo dos anos, dos acionistas/sócios, principalmente dos grupos econômicos, incluindo empresas multinacionais. Esse tipo de meta corporativa é muito comum, para que a apresentação dos balanços mensais gerados pela contabilidade das sociedades seja concluída e entregue dentro do menor tempo possível.

Porém, nem sempre a agilidade e o curto prazo permitem aos responsáveis, pela execução de todos os sistemas, que geram os lançamentos contábeis, uma atenção e análise adequada, gerando a ocorrência de erros. Vale salientar que, muitos desses erros é devido ao volume de lançamentos que contribuíram para diversos fatores, tais como: classificação de conta contábil indevida, lançamentos a menor ou maior, lançamentos em duplicidade, ausência de lançamento, inversão de algarismos, lançamentos com atraso, erros de digitação, documentação incompleta etc. Para regularizar os erros identificados, utiliza-se o processo de reconciliação contábil, uma rotina bastante usada nas sociedades em geral, principalmente nas mais organizadas, cujo objetivo principal desta prática é de manter os saldos contábeis corretos.

Por isso, na data do encerramento do exercício social, é preciso que as demonstrações contábeis (DC) reflitam adequadamente a posição patrimonial e financeira da sociedade, com a agilidade necessária para concluir/fechar essas DC, antes do prazo de recolhimento dos tributos e dentro do cronograma definido pela direção da sociedade. Afinal, é grande a pressão, sobre a manutenção dos balanços tempestivamente durante os 365 dias do exercício social, principalmente, no fim do ano, quando é feita a avaliação quanto a identificação do melhor regime tributário da sociedade, seja pelo Simples Nacional, pelo Lucro Presumido ou pelo Lucro Real. Nessa avaliação, é necessário contar com o apoio de uma assessoria contábil, societária e tributária, especializada, na orientação, quanto a modalidade mais adequada, considerando o tipo e a operação da sociedade, calculando, analisando e comparando cada um dos regimes, para no final fazer a opção mais vantajosa.

Bruno Feldman e Carla Sá Leitão – Sócios da Sá Leitão e Consultores.
PUBLICADO NO JORNAL FOLHA DE PERNAMBUCO EM 08.12.2021