“NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA ASG/ESG”

A tendência mundial é o aumento da demanda por investimentos sustentáveis. A agenda de sustentabilidade, baseada nas três letras ASG/ESG (de igual sentido em português e em inglês), representadas pelos três critérios ambientais, sociais e de governança, tende a tornar o ambiente de negócios mais complexos nos próximos anos, na maioria dos setores da economia. Fazer a transição para uma economia que incorpore a temática da sustentabilidade será essencial, tanto do ponto de vista de concessão de crédito, quanto da parte dos investidores. Por sua vez, os bancos e os fundos de investimentos vêm exercendo um papel fundamental em ajudar as empresas na transição para uma economia de baixo carbono. É do conhecimento de todos que essas instituições financeiras, principalmente as internacionais, somente estão concedendo crédito às empresas após o rastreamento de boa parte da cadeia de produção, desde o conhecimento da entrada dos insumos/matérias primas até a comercialização, a distribuição e a entrega dos produtos aos clientes.

Essa movimentação já vem ocorrendo, por parte das grandes companhias (cias) , visando a redução das taxas de
juros juntos aos bancos e aos fundos de investimentos internacionais. Para atender essas novas exigências dos investimentos internacionais, requeridas pelos padrões ASG/ESG, o Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade (International Accounting Standards Board) – IASB) está estudando novas regras para melhorar a apresentação e a regulamentação das demonstrações financeiras, mediante a busca pela definição do modelo mais adequado de Relatório Integrado (Integrated Reporting – IR) que unificaria a apresentação das informações financeiras com as informações de ASG/ESG. Isso se faz necessário para ampliar a transparência, a padronização, a comparabilidade e a divulgação das medidas ambientais, sociais e de governança, relacionadas com o setor da economia em que a companhia (cia) atua. Essas informações ajudam aos investidores a ter uma visão melhor do que as cias estão fazendo no âmbito da ASG/ESG e do reflexo dessas ações sobre os riscos e sobre a capacidade de geração, manutenção ou perda de valor do negócio.

A melhora na transparência já vem sendo refletida na divulgação dos informes e nos relatórios de sustentabilidade das grandes cias, independentemente do surgimento de novas regras contábeis internacionais para o acompanhamento da prestação de contas e comparabilidade das informações, pela adoção das políticas ASG/ESG.
Isso porque os investidores internacionais necessitam de uma maior segurança sobre as informações de sustentabilidade do negócio, por meio de transparência, comparabilidade e conectividade dessas informações e de como a agenda ASG/ESG da cia gera, mantém ou reduz o valor do negócio, para melhor avaliar o aumento dos seus investimentos no mercado brasileiro, mesmo diante das incertezas que rondam o nosso País.

Cláudio Sá Leitão e Jefferson Batista – Sócios da Sá Leitão Auditores e Consultores.
PUBLICADO NO JORNAL FOLHA DE PERNAMBUCO EM 28.10.2021