DR SÁ LEITÃO: UM EXEMPLO”

Se fosse vivo, o médico obstetra, “Antônio Sá Leitão”, estaria completando hoje 100 anos. Formou-se pela então Faculdade de Medicina do Recife na turma de 1936. Casou-se com a gaúcha Carmem Costa, que veio morar em Recife no início da década de 1940, quando o seu pai, Edmundo Costa, aceitou o convite do também gaúcho, Oswaldo Aranha, Ministro da Fazenda do Governo de Getúlio Vargas, para ser Delegado do Imposto de Renda da Região. “Dr Sá Leitão”, como era e gostava de ser chamado, antes de se tornar Diretor da Maternidade do Hospital Português, passou pelos postos de Assistente e de Chefe da Clínica Obstétrica. Foi também Diretor da Maternidade da Encruzilhada e Professor de Ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas. Na Maternidade do Hospital Português teve uma atuação marcante, tendo na sua gestão inaugurado o novo prédio desta Maternidade, no início da década de 1970, além de ter sido Diretor por 35 anos consecutivos (1950 a 1985), quando finalmente se aposentou.

A figura tranquila, alegre, simpática e elegante de “Dr. Sá Leitão”, que era sempre visto de terno branco, principalmente no seu ambiente de trabalho, nos corredores das maternidades, nas salas de aula e no ambulatório da Faculdade de Ciências Médicas, cumprimentando e explicando as suas pacientes, alunos e enfermeiras com clareza, franqueza, competência e objetividade. Sendo um profissional madrugador e detentor de uma das maiores clínicas particulares de obstetrícia do Recife, “Dr. Sá Leitão”, era um homem inteligente, simples, ético, honrado e um “gentleman” no trato , principalmente com os mais humildes, não fazendo distinção com quem quer que fosse. Dizia “Dr Sá Leitão”, que era fundamental para o obstetra ter habilidade manual, com “mãos seguras e firmes”. Certa vez o meu sapateiro, da Avenida Manoel Borba, contou-me que, no dia em que sua esposa, grávida de gêmeos, foi à Maternidade Oscar Coutinho dar a luz, mas não havia obstetra naquele momento e teve a sorte de encontrar o “Dr. Sá Leitão”, caminhando pelo corredor da Maternidade, após uma aula, que o atendeu prontamente, , despindo-se do seu paletó branco, entrando na sala e fazendo o parto.

Em outra ocasião, encontrei em um restaurante o ginecologista Laercio Tavares, seu ex-aluno, e ele informou que “Dr. Sá Leitão” havia sido, até então, um dos melhores Diretores da Maternidade do Português. Eu, também, comentei com Laércio que, aos meus 15 anos de idade, indaguei ao “Dr. Sá Leitão” se ele tinha vontade de construir uma maternidade, tendo ele me respondido que seu ofício era médico e não empresário. Ainda nessa prosa, Laércio confirmou que realmente o “Dr. Sá Leitão” não tinha característica de empreendedor , porém possuía uma grande qualidade: seu carisma, que aliado ao seu bom humor, o tornava um grande fazedor de amigos. Como rotariano, foi fundador e primeiro presidente do Rotary Clube do Recife Boa Vista em 1957. Demonstrava orgulho em ter neste clube o maior número de afilhados e presidentes daquele Rotary. Adorava receber em sua casa, nos finais de semana e feriados, seus amigos e familiares, para uma boa conversa, acompanhada de cerveja gelada e frutos do mar.

Para melhor recepcionar esses amigos, na maioria médicos, rotarianos e empresários, transformou as garagens das suas casas , localizadas nas Ruas das Fronteiras e dos Navegantes, em salas climatizadas, de forma a tornar o ambiente mais agradável. Sendo filho de “Dr Sá Leitão”, tive o privilégio de conviver e de aprender os seus valiosos ensinamentos de vida, relacionados com a prestação de serviço, a confidencialidade e o sentimento da gratidão. É inegável que seu legado foi muito importante para a minha vida profissional. Por tudo isso, “Dr. Sá Leitão” era considerado um exemplo de obstetra no trato com as pacientes, com os amigos, e com os menos favorecidos, além de ser, também, um homem de caráter, digno e leal. Sobretudo, é do ser humano Antônio Sá Leitão, ou melhor, do “Dr Sá Leitão” que eu, Carmem Lúcia, Antônio Cesar, Silvia Regina e Heloisa Helena, sentiremos sempre falta, porém sua eterna lembrança permanecerá em nossos corações.

Cláudio José Sá Leitão – Sócio da Sá Leitão Auditores e Consultores.

PUBLICADO NO JORNAL DO COMMERCIO EM 26.09.2013