CRISE AFETA O SETOR SUCROALCOOLEIRO

A cana de açúcar é uma das mais antigas matérias primas do Brasil. As primeiras mudas vieram para o Brasil, logo após o descobrimento. A partir daí, ao longo do tempo, o plantio da cana de açúcar passou a ter uma importância muito grande na economia brasileira, de modo especial na região nordeste, (Pernambuco e Alagoas). Atualmente, o Brasil é o maior produtor de cana de açúcar do mundo. O cultivo da cana de açúcar traz inúmeros benefícios para a economia brasileira, pois esta matéria prima é largamente utilizada na fabricação do açúcar, do álcool anidro (aplicado como aditivo na mistura da gasolina) e do álcool hidratado (utilizado como combustível). Também, é utilizada na fabricação de alimentos, papel, plásticos e produtos químicos, além do "bagaço" da cana de açúcar ser aplicado na geração de energia elétrica. O álcool hidratado (etanol) é utilizado no Brasil, como combustível há mais de 40 anos, com a introdução do Programa Nacional do Álcool (PROÁLCOOL), para acabar com a dependência do combustível fóssil (gasolina). Com o avanço da tecnologia na produção dos veículos bicombustíveis (flex), o mundo passou a ter um maior interesse nos combustíveis renováveis, aumentando significativamente a produção da cana de açúcar no Brasil. Atualmente, a indústria sucroalcooleira brasileira encontra-se em crise.

No centro - sul, a crise afeta cerca de 20% das usinas. Dezenas já fecharam ou estão desativadas, muitas mudaram de controle societário, diversas encontram-se em processo de recuperação judicial . Na região nordeste, todas tiveram uma redução de safra,( em torno de 30%) , decorrente das constantes secas , combinada com o aumento dos custos operacionais . Esta safra (2012/2013), por exemplo, que está sendo encerrada, Pernambuco registrará uma das menores produções dos últimos 20 anos. Como as linhas de crédito estão limitadas, as usinas , para fazer caixa, vem comercializando seus produtos até com preços abaixo do custo de produção. Para obter maior produtividade e melhorar as margens operacionais, no centro sul, algumas usinas estão dando mais ênfase a produção do açúcar e do álcool/etanol anidro, que é misturado a gasolina, em detrimento do álcool hidratado (usado nos tanques dos automóveis). Já outras , mais capitalizadas, aumentaram os investimentos na renovação dos canaviais, de modo a elevar a moagem da cana de açúcar , a fim de compensar a queda do preço do açúcar e de incrementar as margens de venda de energia elétrica.

Em vista deste cenário, o Governo precisa dar mais atenção a este importante segmento da economia brasileira, de modo a evitar que o Setor Sucroalcooleiro dispense mais outros milhares de trabalhadores do País e, para tanto, deve ser mais transparente quanto às politicas de investimentos ; (i) no etanol a médio e em longo prazo, (ii) na irrigação e na armazenagem de água para a agricultura na região nordeste; (iii) na melhoria das pesquisas para genética de cana, com sementes mais resistentes a secas; (iv) na regulamentação de uma politica competitiva de preço da gasolina, em relação ao álcool. Tudo isso somente será possível se houver uma grande articulação e mobilização nacional, por parte dos produtores e dos órgãos de classe , ( Sindaçucar) , junto aos seus representantes no legislativo ( assembléia, câmara e senado) e no executivo (estadual e federal).

Cláudio José Sá Leitão - Sócio da Sá Leitão Auditores e Consultores.

PUBLICADO NO JORNAL FOLHA DE PERNAMBUCO EM 03.03.2013